Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia

Ver comentários
Polícia
1.063 visualizações

Namorado, padrasto e mãe de adolescente são indiciados por estupro de vulnerável

Vítima tinha 12 anos na época, no fim do ano de 2018 e início do ano de 2019, quando os pais teriam autorizado ela a morar com um homem numa chácara em Nova Olinda, onde tiveram relações sexuais
- Atualizada em
SSP Divulgação

A Polícia Civil do Tocantins, por meio da 33ª Delegacia de Polícia Civil de Nova Olinda, concluiu as investigações referentes à prática de crime de estupro de vulnerável, tratando-se a vítima de uma adolescente de apenas 13 anos de idade. Segundo apurado, no fim do ano de 2018 e início do ano de 2019, quando tinha apenas 12 anos de idade, a adolescente iniciou um relacionamento amoroso com o autor de iniciais W.C.A. de 26 anos, em que os pais da jovem até então não tinham conhecimento.

 

Segundo o delegado Luís Gonzaga da Silva Neto, posteriormente, a mãe e o padrasto da adolescente tomaram conhecimento do relacionamento, tendo num primeiro momento não aceitado, mas posteriormente anuiram com o referido namoro, tendo em seguida autorizado a adolescente a morar com um homem numa chácara em Nova Olinda, onde tiveram relações sexuais por diversas vezes.

 

Para o delegado, com receio de haver alguma responsabilização criminal contra o namorado ou seus pais, a adolescente resolveu retornar para a residência destes, mas antes disso ocorrer, a sua mãe, de iniciais J.D.P. , registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Nova Olinda e também procurou o Conselho Tutelar da cidade, possivelmente arrependida, alegando que a filha tinha saído de casa para morar com um homem sem a sua permissão, mas as investigações apuraram que tanto ela como o seu esposo N.F.L. (54 anos) anuíram com a ida da vítima para morar na casa de W.C.A.

 

Inquérito

 

O delegado Luís Gonzaga da Silva Neto, Titular da Delegacia de Nova Olinda, concluiu o inquérito policial, sendo W.C.A. (então namorado da vítima na época), J.D.P. (mãe da vítima) e N.F.L. (padrasto da vítima) indiciados pelo crime de Estupro de Vulnerável, cuja pena total poderá chegar ao patamar de 15 (quinze) anos de prisão.

 

“A mãe e o padrasto da vítima foram indiciados tendo em vista serem coniventes com os abusos sexuais sofridos pela sua adolescente, pois autorizaram que ela fosse morar com o namorado, tendo este 26 anos de idade. Os pais, segundo a legislação, tem o dever de cuidado de vigilância com os filhos, dever este violado no caso em tela pelos pais da vítima”, afirmou.

 

Ainda segundo o delegado, o caso fora encaminhado ao Poder Judiciário para as medidas cabíveis.