Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia

Ver comentários
Em sete dias

Número de presos pela Operação Medusa, de combate ao narcotráfico, sobe para 15

Deflagrada no último dia 15, a Operação Medusa visa combater ataques criminosos ocorridos em 2018 a mando de facção criminosa de renome nacional.
- Atualizada em
Operação foi deflagrada no dia 15. Foto: Wherbert Araújo/Governo do Tocantins

Mais um suspeito com mandado de prisão preventiva decretado em decorrência da Operação Medusa, visando combater a atuação de facção criminosa de renome nacional com atuação no Tocantins, foi preso pela Polícia Civil do Tocantins, por meio da 54ª Delegacia de Polícia de Caseara, na região Extremo-Oeste do Estado, nesta terça-feira, 20. Com ele, já são 15 pessoas presas em apenas sete dias, desde que a operação foi defçagrada em 15 de agosto.

 

P.H.S.C., vulgo “Bafo”, 25 anos, é suspeito de integrar o grupo criminoso que realizou três ataques simultâneos a ônibus em cidades tocantinenses no ano passado. A ação policial foi coordenada pelo delegado Antonio Onofre Filho.

 

Todos os ataques ocorreram  em 2018 como forma de “batismo” ou entrada na referida facção criminosa, inclusive com citações denominadas “salve” à referida facção como prova de ascensão no ambiente criminal.

 

De acordo com o delegado Wanderson Chaves, após tomar conhecimento da existência de mandado de prisão preventiva decretado, policiais civis de caseara realizaram diligências investigativas a fim de levantar a localização do suspeito, tendo o encontrado na residência de seus pais, naquela cidade.

 

“Foram encontradas materialidades delitivas que confirmam ter existido um “salve” para a queima dos ônibus no Estado. A ordem foi emanada em cadeia decrescente de comando. O preso desta terça-feira, conhecido como “Bafo”, atuou em parceria com outros suspeitos, na coordenação dos ataques, inclusive convocando reuniões, escolhendo comparsas em Palmas e em cidades do interior para a execução dos atos incendiários”, afirmou.

 

Operação

 

No último dia 15, a Polícia Civil deflagrou simultaneamente em cinco cidades do Estado, como também em Goiás e Pará, a Operação Medusa, visando combater a presença de facção criminosa de renome nacional com atuação no Tocantins.

 

Na mitologia grega, a Medusa era o ser supra-humano representada pelo sexo feminino, significada com serpentes no lugar dos cabelos. Quem a olhava diretamente nos seus olhos automaticamente se transformava em pedra. Para eliminá-la, apenas um golpe certeiro em sua cabeça eliminaria seu histórico de maldades.

 

Dos 25 mandados de prisão preventiva decretados, 15 já foram cumpridos. A operação segue na busca dos demais suspeitos.