Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia


Operação "Terra Arrasada"
313 visualizações

PF apura crimes provenientes de conflito agrário cometidos em assentamento

O objetivo das medidas é colher elementos e provas que identifiquem todos os personagens envolvidos no atentado ao assentamento “Maria Bonita”, bem como impedir que outras ações criminosas ocorram
- Atualizada em
Descrição: Cerca de 50 policiais federais participam da operação Divulgação/Polícia Federal no Tocantins

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 11,  a Operação “Terra Arrasada” para apurar a prática sucessiva de crimes decorrentes de conflito agrário entre fazendeiros e posseiros, em Terra da União (Gleba Anajá), localizada no município de Palmeirante, região norte do Tocantins.


Cerca de 50 Policiais Federais cumprem quatro mandados de prisão temporária e dez mandados de busca e apreensão nos estados do Tocantins, Goiás e Distrito Federal, expedidos pela
Justiça Federal do Estado do Tocantins.

 

Investigação


A investigação teve início após ampla divulgação pela mídia local de que no dia 06 de agosto de 2021,  assentados do acampamento “Maria Bonita” teriam sido vítimas de diversos crimes como
ameaça, homicídio, sequestro, roubo, dentre outros.


O objetivo das medidas é colher elementos e provas que identifiquem todos os personagens envolvidos no atentado ao assentamento “Maria Bonita”, bem como impedir que outras ações
criminosas ocorram em razão dos conflitos agrários na região.


Os investigados poderão responder, na medida de suas culpabilidades, pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio, sequestro, incêndio, invasão de terra da União, esbulho
possessório, roubo, invasão de domicílio, porte ilegal de arma de fogo e organização criminosa, cujas penas máximas somam mais de 85 anos de reclusão.

 

A operação 


O nome “Terra Arrasada” é uma estratégia de guerra em que os combatentes queimam ou destroem suas próprias terras no intuito de que inimigos não possam utilizar de suas benfeitorias.

 

Pandemia


A Polícia Federal destaca que em razão da pandemia da Covid-19, foi adotada logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPI’s a todos os envolvidos, visando preservar a
saúde dos policiais, testemunhas e investigados