Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia


Polícia Federal
334 visualizações

PF faz operação no TO e PA contra suspeitos de furtar agências dos Correiros

Cerca de 23 policiais dão cumprimento a três mandados de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária e cinco mandados de busca e apreensão em Palmas, Juarina, Colinas entre outras cidades
- Atualizada em
Divulgação/Polícia Federal do Tocantins

Mais de 20 policiais federais cumprem três mandados de prisão temporária e cinco de busca e apreensão em municípios do Tocantins e Pará com o objetivo de desarticular um grupo criminoso especializado em cometer crimes de furtos contra agências dos Correios. A Operação Siafu ocorre simultaneamente na manhã desta quarta-feira, 5, nas cidades Palmas/TO, Juarina/TO, Colinas do Tocantins/TO, Conceição do Araguaia/PA e Curianópolis/PA, todos expedidos pela 4º Vara Federal de Palmas. 

 

Conforme a Polícia Federal (PF), as investigações apontaram que os suspeitos foram responsáveis por cometer crimes de furtos contra as agências dos Correios dos município de Guaraí/TO (ocorrido entre os dias 22 e 24/09/2018), Presidente Kennedy/TO (ocorrido em 07/07/2019), Curionópolis/PA (ocorrido em 19/03/2018), Cumaru do Norte/PA (ocorrido em 19/08/2018) e Cametá/PA (ocorrido em 02/12/2018).


 

Todos os furtos aconteceram da mesma maneira, durante o período noturno e com rompimento ou destruição de obstáculos. Foram furtados pertences e dinheiro da empresa pública federal. Os crimes sempre tiveram a participação de duas ou mais pessoas.

 

Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de furto noturno qualificado e associação criminosa, cujas penas somadas podem chegar a mais de 10 anos de reclusão.


 

 O nome da Operação faz referência a formigas nômades, que é justamente a principal característica do grupo criminoso, visto que seus integrantes optavam por cometer os delitos contra agências dos Correios de diferentes municípios, sem terem qualquer tipo de relação ou vínculos com os mesmos. Desta forma, ainda de acordo com a PF, o grupo pretendia diminuir o risco de serem identificados.