Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia


Operação “Apaches”
875 visualizações

PF investiga esquema de fraudes na internet contra instituições e estabelecimentos

Os criminosos utilizavam dados de cartões de crédito de terceiros, muitos capturados com a propagação de anúncios falsos em redes sociais, direcionando o usuário às páginas “fakes”
- Atualizada em
Divulgação/Polícia Federal no Tocantins

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 1º, a Operação “Apaches”, com o objetivo de combater a atuação de “cracker’s”, suspeitos do cometimento de diversas fraudes, via internet, contra instituições financeiras e estabelecimentos comerciais.


Os criminosos utilizavam dados de cartões de crédito de terceiros, muitos capturados com a propagação de anúncios falsos em redes sociais, direcionando o usuário às páginas “fakes”, induzindo-os ao erro e conseguindo seus dados.


Mais de 40 policiais federais dão cumprimento a 11 mandados busca e apreensão no Tocantins e mais cinco estados da federação, todos expedidos pela 2º Vara Estadual de Augustinópolis, nas cidades de Praia Norte, Tocantinópolis, Itaguatins, Imperatriz - MA, Marabá - PA, Barra do Garças - MT, Goiânia - GO, Aparecida de Goiânia - GO, Porangatu - GO, Navegantes - SC. 

 

A investigação 


A investigação é um desdobramento das operações “Cracker” e “Backdoor” deflagradas pela Polícia Federal no Tocantins nos anos de 2017 e 2018, no intuito de reprimir crimes cibernéticos no estado.


"Cabe destacar que crimes cometidos pela internet são de grande complexidade e muitas vezes de difícil investigação, vista a dificuldade em comprovar materialidade e autoria destes delitos que são praticados às escuras e por muitas vezes por meio de tecnologia de última geração", ressaltou a polícia. 


Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de associação criminosa e estelionato, cujas penas somadas, podem chegar a 08 (oitos) anos de reclusão.


O nome da Operação “Apaches” faz referência a uma tribo de nativos americanas conhecidos pela sua grande resistência em combate e pela superioridade de suas estratégias de guerra.


 Em razão da pandemia causada pela COVID-19, foi adotada logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPI’s a todos os envolvidos, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas e investigados.