Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia


Operação Fora do Caixa
5.341 visualizações

Polícia Federal deflagra desdobramento da Lava Jato em Palmas nesta quinta, 9

A investigação teve início a partir da colaboração premiada feita por executivos da empresa Odebrecht, os quais relataram o pagamento de R$ 1,5 milhão, por meio de Caixa 2, para candidato do Pará.
- Atualizada em
Divulgação

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 09,  a Operação Fora do Caixa, desdobramento da Operação Lava Jato, com o objetivo de cumprir seis mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão temporária nas cidades de Belém/PA, Palmas/TO e Brasília/DF. Os mandados estão divididos da seguinte forma: três buscas e apreensões e uma prisão temporária no Pará; uma prisão temporária e uma busca e apreensão em Tocantins; e duas buscas e apreensões no Distrito Federal.

 

Conforme o Jornal o Estado de São Paulo, o ex-senador Luiz Otávio Campos (MDB), ligado ao senador Jader Barbalho e ao governador do Pará, Helder Barbalho, foi preso em Belém, na manhã desta quinta, durante o cumprimento de mandados da operação. Em Palmas, agentes cumprem mandado de prisão contra Álvaro Cesar Silva da Rin. Ele é suspeito de intermediar propinas.

 

A investigação teve início a partir da colaboração premiada feita por executivos da empresa Odebrecht, os quais relataram o pagamento de R$ 1,5 milhão, por meio de Caixa 2, para o candidato ao Governo do Estado do Pará, nas eleições de 2014, Helder Barbalho.

 

Segundo o depoimento dos executivos foram realizadas três entregas, nos valores de R$ 500 mil reais cada, nos meses de setembro e outubro de 2014, sendo que o recebimento foi intermediado pelo ex-senador Luiz Otávio vinculado ao então candidato ao Governo do Pará.

 

Durante o trabalho investigativo, foram encontrados indícios de que pelo menos um dos pagamentos foi realizado em endereço ligado a parentes do ex-senador da República citado pelos executivos. Os crimes sob investigação são de falsidade ideológica eleitoral (Caixa 2), formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

 

A investigação iniciou perante o Supremo Tribunal Federal, entretanto houve declínio de competência para Justiça Eleitoral em Belém/PA, a partir da confirmação do entendimento sobre a competência da Justiça Eleitoral para processar e julgar crimes comuns em conexão com crimes eleitorais. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara da Justiça Eleitoral em Belém/PA.

 

O nome da operação faz referência ao recebimento de recursos eleitorais não contabilizados.

 

Uma entrevista será realizada, às 11h, no Gabinete da Superintendência Regional da Polícia Federal no Pará, em Belém, com os responsáveis da Operação Fora do Caixa.