Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia

Ver comentários
Em dezembro de 2017
876 visualizações

Presos acusados de matar jovem em baile funk na capital

Polícia Civil desvenda homicídio e prende suspeitos pelo crime que levou a óbito o jovem Matheus Henrique Xavier; o rapaz foi morto em uma casa de festas em dezembro de 2017;
- Atualizada em
Suspeitos detidos pela Deic Divulgação Secretaria da Segurança Pública

Os suspeitos do assassinato do jovem Matheus Henrique Xavier, de 23 anos, foram apreendidos nessa sexta-feira, 9 de fevereiro.

 

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC – Palmas),  prendeu três suspeitos de integrar uma facção criminosa responsável pela prática de vários crimes em Palmas, dentre eles o homicídio de um jovem em dezembro do ano passado, integrante de uma facção rival.

 

As equipes estavam investigando possíveis suspeitos de integrar organizações criminosas, que atuam em Palmas e em todo o Estado, quando descobriram que Douglas Júnior Sobrinho Lima, de 22 anos e João Pedro dos Santos Marinho, de 21 anos poderiam estar envolvidos no homicídio que vitimou Matheus Henrique Ferreira Xavier, fato ocorrido em uma casa de shows na capital.

 

No início da manhã desta sexta-feira, os policiais civis da Deic foram até a residência de João Pedro, na Quadra 712 sul, onde cumpriram mandado de prisão temporária em desfavor dele. O jovem que estava com uma pistola, também foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo.

 

Em seguida, os agentes foram até a região norte da capital, onde efetuaram a prisão de Douglas, mediante cumprimento de mandado de prisão temporária. Na sequência, os policiais deslocaram-se até o Jardim Aureny III, onde prenderam Diego Fernandes Miranda, de 22 anos, pela prática do crime de posse de arma de fogo, o mesmo portava uma pistola, munições, cartuchos e carregadores, além de uma espingarda.

 

Após os procedimentos legais cabíveis, João Pedro, Douglas e Diego foram encaminhados à carceragem da Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP), onde permanecerão à disposição do Poder Judiciário.