Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia

Ver comentários
Crime bárbaro
1.311 visualizações

Suspeita de ter matado a amiga a pedradas e tiros no Natal é presa em Dianópolis

A suspeita, juntamente com seu ex-marido, assassinaram a vítima com golpes de pedra e tiros, sendo que a vítima teve o crânio esmagado. O crime chocou a cidade de Dianópolis pela crueldade
- Atualizada em
Suspeita de cometer crime bárbaro é presa em Dianópolis Foto: Divulgação/SSP

Policiais Civis da 8ª Delegacia Regional de Dianópolis prenderam nesta terça-feira, 16, Diran B. dos S., de 33 anos, que com o ex-marido Wanderson N. S., vulgo “Dundum”, são suspeitos pelo homicídio e ocultação do cadáver de Marineis de Sousa, crime ocorrido no dia 26 de dezembro de 2015, na zona rural de Dianópolis. As ações da polícia continuam para localizar e prender Wanderson, que está foragido.

 

Segundo apontaram as investigações, no dia 25 de dezembro de 2015, Diran, Wanderson e a vítima foram até as margens de um córrego localizado na zona rural de Dianópolis, onde pretendiam acampar. No local, após várias horas ingerindo bebida alcoólica, houve um desentendimento entre os três e, dessa maneira, Wanderson e Diran assassinaram Marineis, com golpes de pedra e tiros, sendo que a vítima teve o crânio esmagado. Após matar a mulher, o casal enterrou seu corpo em uma cova rasa nas proximidades e fugiu. O corpo de Marineis foi encontrado somente no dia 27 de dezembro. O crime chocou a cidade de Dianópolis pela crueldade.

 

Conforme o delegado Afonso José de Azevedo Lyra Filho, que comandou a operação, Diran foi localizada na residência de sua mãe. “Através das investigações, sabíamos que a suspeita, que estava residindo na zona rural da cidade, vinha frequentemente a Dianópolis para visitar a mãe e realizar tratamento de saúde, devido a uma lesão por violência doméstica. Desta maneira, monitoramos as ações da mulher e conseguimos efetuar sua prisão”, frisou o delegado.

 

Após ser capturada Diran foi conduzida à delegacia da cidade em seguida recolhida a uma das celas da carceragem da Casa de Prisão Provisória da cidade, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.