Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia

Ver comentários
Em Araguaína
601 visualizações

Suspeito de decepar a mão de catador de recicláveis é indiciado pela Polícia Civil

As investigações da 28ª DPC apontaram que o indivíduo de iniciais J. S. F., de 31 anos de idade teria sido o autor do delito.
- Atualizada em
Adriano Andrade sendo atendido após ter a mão perdida Reprodução

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 28ª Delegacia de Polícia de Araguaína, concluiu as investigações no caso do catador de recicláveis, que teve sua mão decepada na noite dia 22 de maio deste ano, em um estabelecimento comercial no setor Araguaína Sul, naquela cidade. De acordo com o delegado Pedro Nunes Vieira Júnior, responsável pelo caso, as investigações da 28ª DPC apontaram que o indivíduo de iniciais J. S. F., de 31 anos, teria sido o autor do delito, que é tipificado pelo Art. 129 do Código Penal e tem pena prevista reclusão de dois a oito anos, praticado contra Adriano Andrade Marinho.

 

Ainda de acordo com o delgado Pedro Júnior, a vítima catava latinhas de cerveja para reciclagem, em frente ao local do crime, quando, aparentemente sem motivo algum, J.S.F que bebia no bar, pegou um facão que estava no interior de seu veículo  e desferiu um único golpe, decepando a mão esquerda da vítima.

 

Na época dos fatos, o autor foi ouvido pela Polícia Civil, mas alegou que assim agiu em legítima defesa, para defender-se de agressão da vítima, que segundo ele estaria de posse de uma faca e o teria ameaçado.  Porém, durante o inquérito apurou-se que não houve qualquer agressão por parte da vítima e muito menos que estivesse com uma faca.

 

Além disso, provas periciais, depoimentos de testemunhas, imagens do sistema de segurança do estabelecimento e confissão do autor formam o conjunto probatório produzido durante as investigações. Diante dos fatos, a autoridade policial concluiu o inquérito com indiciamento de J.S.F por lesão corporal gravíssima, sendo o documento remetido ao Poder Judiciário. Vale ressaltar que o Ministério Público Estadual, com base nas investigações da Polícia Civil, abriu ação penal e denunciou o autor pelo crime acima mencionado.