Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia


Prisão
293 visualizações

Suspeitos de execução em Paraíso são presos em operação no Pará e Minas Gerais 

O crime ocorreu em fevereiro deste ano contra uma família de ciganos
- Atualizada em
Divulgação/SSP-TO

Uma ação conjunta entre a Polícia Civil do Tocantins, por meio da 6ª Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado (Deic),  com as polícias Civil e Militar do estado do Pará e o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) de Governador Valadares (MG), foram presos dois suspeitos de executarem uma família de ciganos em Paraíso do Tocantins. A prisão aconteceu na manhã desta segunda-feira, 17, foram presosefetuou a prisão preventiva de dois homens na manhã desta segunda-feira, 17.

 

De acordo com o delegado-chefe da 6ª Deic, de Paraíso, Hismael Athos, entre os dois homens presos, um seria o suposto mandante e o intermediário do crime, e é apontado como chefe da organização criminosa especialista em “pistolagem” no país. Eles foram capturados nas cidades de Ervália (MG) e Aimorés (MG) e presos em flagrante delito pelo crime de posse de arma de fogo e municições.

 

Um terceiro suspeito, que deu suporte à fuga do principal executor do crime, está sendo procurado em Altamira (PA). A Polícia compareceu à casa do indivíduo, mas ele não chegou a ser localizado, no local foram encontradas armas de fogo e diversas munições e o veículo usado no dia do crime também foi apreendido. 

 

O Crime

 

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Hismael Athos, no dia 8 de fevereiro deste ano, dois homens chegaram a uma residência e efetuaram disparos de arma de fogo contra uma família de ciganos em Paraíso do Tocantins. Um homem, que seria o pai da família, veio a óbito pelos ferimentos causados por arma de fogo. Os dois enteados que tentaram prestar socorro à vítima também foram vítimas da tentativa de homicídio. Um foi alvejado e está internado em estado grave e o outro conseguiu se desviar dos disparos. As investigações apontaram que a vítima teria mantido um relacionamento amoroso com a esposa do mandante do crime, o que motivou os fatos.