Palmas, Tocantins -

Plantão de Polícia


Homicídio
1.586 visualizações

Trinta dias após a morte de Elizabethe Contini, polícia não conclui inquérito

Após 30 dias da morte da professora Elisabethe Contini, de 45 anos, e a policia civil da capital ainda não concluiu o inquérito. Procurado, o delegado Edson Parente não deu maiores informações sobre o caso, e apenas afirmou que as diligências continu...
- Atualizada em

Completa nesta sexta-feira, 13, trinta dias da morte da professora Elisabethe Contini, de 45 anos, e a policia civil ainda não conclui o prazo legal para a conclusão do inquérito. O corpo da professora foi encontrado no último dia 13, enrolado em uma lona próximo a Praia do Prata em Palmas, e de acordo com informações preliminares da perícia, apresentava sinais de estrangulamento, o que já levantava suspeita de morte por asfixia, o que foi confirmado apenas no último dia 2.

Questionado pelo Site Roberta Tum o delegado responsável pela investigação Edson Parente, informou que ainda continua com as diligências e investigações.

Ao que tudo indica é possível que o delegado solicite na próxima segunda-feira, 16, a dilação de prazo à Justiça, caso a investigação não seja concluída.

A polícia não informou se o laudo pericial de local do crime já foi finalizado, o que poderia  revelar outros detalhes importantes para a investigação ainda não foi divulgado. Também não informou quantas pessoas foram ouvidas no caso ou se houve algum fato novo.

Elizabethe Contini

Elizabethe Contini, 45 anos, era professora concursada do Centro de Criatividade, onde lecionava aulas para crianças e adolescentes, atuando na criação, montagem e direção de espetáculos teatrais como, o “Nós e Nossos Nós”, encenado pelos alunos em novembro de 2009, e que tinha a proposta de fazer o público repensar suas posturas pessoais, os nós, ou as amarras, reais ou imaginárias.