Palmas, Tocantins -

Política


Pressão
1.918 visualizações

Amastha se acorrenta em frente prédio da CGU e pressiona para ser atendido pelo órgão

“Eu só aceito ser recebido na presença da imprensa; quero apenas entregar a documentação na presença da imprensa, para que as pessoas possam fazer um juízo de valor”., disse o ex-prefeito
- Atualizada em

O ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha (PSB) passou o início da manhã desta segunda-feira, 27, acorrentado em frente ao prédio da Superintendência Regional da Controladoria-Geral da União (CGU), prometendo greve de fome, enquanto o representante órgão no Tocantins, Leandro da Cruz Alves, não o recebesse para dar esclarecimentos sobre a sua menção na “Operação Carta Marcada”, deflagrada pela Polícia Federal na última terça-feira, 21.

 

 

Amastha explicou ao T1, que acompanha o ato do ex-prefeito na porta da CGU, que as correntes não são tão humilhantes quanto a operação da PF, que mencionou seu nome em suposto desvio de R$ 15 milhões da Prefeitura de Palmas.

 

 

Após algumas horas acorrentado, o ex-gestor foi recebido por Leandro da Cruz. Amastha entrou para o superintendente documentos que ele considera provas de sua inocência.

 

 

O ex-prefeito garantiu, ainda, que as coisas ficarão evidentes assim como na Operação Nosotros, da qual ele teve o inquérito contra ele arquivado.

 

 

 

Vídeo nas redes

 

Antes de se acorrentar, Amastha divulgou um vídeo nas redes sociais, dizendo que foi “escrachado pela instituição sem direito à defesa”. Reforçou que não abre mão do seu direito de defender a sua honra e a sua gestão e pediu para que o superintendente seja humilde e justo. “Não merecemos esse escárnio público”, disse .

 

“É engraçado, minha gente – conta ele no vídeo – quando foi para falar mal da gente ele estava em cadeia nacional falando aquele monte de inverdade” completou o ex-gestor.

 

 

 

Notícias sobre:

amastha greve de fome pressão cgu