Palmas, Tocantins -

Política


Projeto de Lei
797 visualizações

Após polêmica na pandemia, Pastor Daniel quer tornar cultos atividade essencial

O vereador iniciou sua atuação apresentando Projeto de Lei que considera a atribuição de serviço essencial para igrejas que, em suas palavras na tribuna, “são verdadeiros hospitais da alma”
- Atualizada em
Descrição: Vereador Daniel Nascimento (Republicanos). Divulgação/Câmara Municipal de Palmas

Após um período de conflitos entre lideranças evangélicas e a gestão municipal de Palmas, durante as restrições mais severas da pandemia, que restringiram o funcionamento de igrejas para evitar aglomerações, o vereador Pastor Daniel Nascimento (Republicanos), estreou sua atuação como vereador propondo o Projeto de Lei 02/2021, que transforma atividades religiosas em serviço essencial.

 

O projeto foi apresentado na sessão de quinta-feira, 11, no Plenário da Câmara Municipal de Palmas, de autoria de Daniel, que confere a atividades religiosas a categorização de serviço essencial durante o período de calamidade pública, causado pela pandemia de Covid-19. 

 

"Um projeto de Lei importantíssimo para o desenvolvimento de nossa cidade", considerou Nascimento na tribuna, na data em que que 46,4% dos leitos clínicos e 56,4% dos leitos de UTI tratamento da Covid-19 estão ocupados em Palmas, uma taxa que se apresentou crescente nos boletins epidemiológicos municipais das últimas semanas. 

 

"O projeto da emergencialidade das igrejas diante do estado de calamidade ou de emergência. A igreja tem um papel essencial para a cidade, principalmente em épocas de pandemias", argumenta o vereador, que disse ainda: "os pastores querem chegar onde o poder público não chega, sem contar que as igrejas são verdadeiros hospitais da alma". 

 

Na Capital, 51,2% do total de leitos disponíveis estão ocupados, conforme a atualização dos dados da pandemia divulgados no site da prefeitura de Palmas ontem, 11. 

 

Em 2020, os estabelecimentos religiosos de Palmas tiveram seu fechamento determinado por decreto por não serem considerados como atividades essenciais, e a fim de evitar situações que acarretem aglomerações e maior propagação do Coronavírus.