Palmas, Tocantins -

Política


Antecipação de salários
1.019 visualizações

Claudemir Portugal defende que prefeitura de Palmas mantém economia aquecida

São, ao todo, R$ 32.516.159,05, que serão pagos aos servidores municipais. Para o vereador Claudemir Portugal, a notícia mostra o compromisso e responsabilidade da gestão com os gastos públicos
- Atualizada em
Descrição: Vereador Claudemir Portugal Divulgação

O fato de a Prefeitura de Palmas injetar mais de R$ 32 milhões na economia da Capital com o pagamento do salário nesta quinta-feira, 1º, foi ressaltada por integrante do legislativo municipal. Para o vereador Claudemir Portugal, a notícia é importante para a capital e mostra o compromisso e responsabilidade da gestão com os gastos públicos. 

 

“Evidente que pagar em dia os funcionários é obrigação. Porém, por lei, a Prefeitura tinha até o dia 5 para fazer o pagamento, ou seja, foi antecipado novamente. É importante destacar que os servidores terão, como de costume, o pagamento no dia 1º. E, ao comparar com outros poderes e instituições, até os adversários reconhecem que em meio a esta grande crise este fato deve destacado”, afirmou, nesta quarta-feira, 30.

 

São, ao todo, R$ 32.516.159,05, que serão pagos aos servidores municipais. “Esse dinheiro aquece a economia, movimenta o comércio da capital e de muitos municípios do Estado. Isso é prova e resultado da responsabilidade e compromisso da Prefeitura de Palmas com o dinheiro público. Medidas duras e necessárias foram tomadas. Isso é honrar com compromissos”, destacou o vereador.

 

O vereador lembrou do protesto realizado pelas prefeituras do Tocantins que fecharam as portas nessa segunda-feira, 28, por causa da redução de verbas. “A imprensa toda mostrou que 131 prefeituras aderiram ao protesto no Estado, que tem 139 municípios. E as prefeituras do Tocantins deixaram de receber R$ 1,7 bilhão de FPM [Fundo de Participação dos Municípios] 2008 a 2014. Isso reflete na economia local, sem dúvida, pois o poder público tem participação expressiva no giro de dinheiro nas cidades”, disse.