Palmas, Tocantins -
Polêmica
5.715 visualizações

Coligação de Amastha quer vetar pesquisa IBOPE prevista para ser divulgada na quinta

Principal argumento da coligação é de que a pesquisa não aponta os sete candidatos como opção de voto do eleitor.
- Atualizada em
Pesquisa registrada exclui nomes de candidatos em questionário de perguntas T1 Notícias

Após ter representação deferida contra o Instituto Skala, junto a Justiça Eleitoral, a coligação “A Verdadeira Mudança”, do candidato a governo Carlos Amastha (PSB), protocolou outra representação, dessa vez, a pesquisa é a de número TO-06472/2018, registrada pela IBOPE Inteligência no dia 04 de maio.

 

A pesquisa foi encomendada pela Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do estado do Tocantins), pelo montante de R$ 73,2 mil reais. A pesquisa, de caráter quantitativo, teve início no dia 5 de maio e será divulgada no próximo dia 10. São entrevistadas 812 pessoas.

 

A coligação alega que algumas perguntas do questionário excluem o nome do candidato Carlos Amastha (PSB), e também do candidato Mauro Carlesse (PHS). Conforme apurado pelo T1 Notícias, as perguntas P-04 e P-04A no questionário registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de fato, excluem o nome de Carlos Amastha, já a P-04A exclui também o nome do candidato Mauro Carlesse.

 

A disputa da eleição suplementar conta com sete candidatos sendo eles: Mário Lúcio Avelar (PSOL), Carlos Amastha (PSB), Marcos Souza (PRTB), Kátia Abreu (PDT), Márlon Reis (Rede), Vicentinho Alves (PR) e Mauro Carlesse (PHS). A coligação reitera que pela lisura da pesquisa, ela deveria contemplar todos os candidatos.

 

A pesquisa ainda questiona os entrevistados sobre a gestão do governador Marcelo Miranda (MDB) e do presidente da república, Michel Temer (MDB). Outro item pergunta se o apoio de Marcelo Miranda, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin, Dilma Rousseff, Lula ou Temer, iriam interferir na escolha de voto do entrevistado.