Palmas, Tocantins -

Política


Em Palmas
1.034 visualizações

Decreto suspende realização de concurso da PM e Basa: “não há condições", diz Cinthia

A aplicação das provas tanto do concurso da Polícia Militar (PMTO), como do Banco da Amazônia (Basa), estavam previstas para o dia 14 de março
- Atualizada em
Descrição: Prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, durante coletiva de imprensa Edu Fortes

A prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) respondeu dúvidas da imprensa e da população, encaminhadas por veículos, como o T1 Notícias, em coletiva via plataforma do Google na manhã desta quinta-feira, 4, em Palmas, quanto ao novo decreto, de 03 de março, ampliando restrições para circulação de pessoas na Capital a partir de sábado, 6.

 

Ao responder pergunta de um seguidor do T1 Notícias nas redes, sobre os concursos previstos para serem realizados na segunda semana do mês, especialmente o da Polícia Militar (PMTO), marcado para 14 de março, Cinthia Ribeiro confirmou que o decreto se estende a eles (Basa também). “Não há como movimentar tantas pessoas na capital no cenário que estamos vivendo”, disse ela ao T1 Notícias.

 

O governo marcou coletiva para a tarde desta quinta-feira, 04, para tratar do assunto, com a presença do secretário da Saúde.

 

Cinthia responde bombardeio político: “nosso único adversário é o vírus”

 

Respondendo pergunta do jornalista Lailton Costa, do Jornal do Tocantins, sobre o bombardeiro que vem sofrendo ultimamente, inclusive por agentes públicos do Estado, e se está se sentindo isolada politicamente, a prefeita afirmou: “só temos um adversário, o vírus (...) continuamos a disposição (para fazer um trabalho conjunto)”.

 

A prefeita falou após a exposição do cenário atual, que aponta alta taxa de contágio em Palmas nas últimas semanas, com projeção de mais 2.644 contágios quando fecharmos a semana no sábado, 6, data em que o decreto entra em vigor.

 

“Só vai dar certo (derrubar a taxa de contágio e a taxa de ocupação hospitalar) se houver o envolvimento e a colaboração da população”, afirmou após fazer um chamamento para que todos os profissionais de imprensa sigam se empenhando em levar os números e a realidade do cenário atual para a população.

 

Apelo por ações coordenadas de União, Estado e Municípios

 

A prefeita disse ainda que ao contrário de se isolar politicamente, os últimos dias e “diante do vácuo” de ações coordenadas entre União, Estado e Municípios, ela tem falado muito com os demais prefeitos do entorno da capital e tem sido procurada por outros “que se sentem perdidos sobre o que fazer nesse cenário”.

 

“Diferente do que se propaga, a cidade de Palmas tem feito sim sua parte”, seguiu respondendo. “Dos cerca de R$ 40 milhões investidos contra a Covid-19 em Palmas ano passado, R$ 25 milhões vieram do governo federal, R$ 19 milhões foram bancados pela Prefeitura de Palmas e apenas R$ 681 mil vieram de ajuda do Estado”, informou.

 

Os recursos totais investidos pela Prefeitura de Palmas em Saúde ano passado bateram a casa dos R$ 246 milhões de reais, segundo Cinthia Ribeiro, históricos 21,19% do Orçamento de mais de R$ 1 bi da Prefeitura de Palmas para atender todas as áreas.

 

Consórcio já tem adesão de 436 municípios de todo País para comprar vacinas

 

Falando pela Frente Nacional de Prefeitos, a gestora da Capital afirmou que com a abertura do debate para um consórcio municipal liderado pela entidade na busca pela compra de vacinas, 436 municípios de todo Brasil se inscreveram. “Importante lembrar que o STF permitiu essa ação apenas caso a vacinação proposta pelo Governo Federal não seja efetiva”, arrematou.

 

Volta às aulas na rede municipal só após cenário controlado e vacinas

 

A volta às aulas na rede municipal de ensino e na privada, foi questionada pelo jornalista Márcio Rocha da Folha Capital. “Este é um exemplo de ações descordenadas. O que posso dizer é que no âmbito do município de Palmas, a alta de casos forçou o fechamento das escolas privadas que estavam funcionando presencialmente. Muitas delas inclusive fecharam antes, diante das contaminações. Na rede pública garanto que não voltaremos enquanto esse cenário não for contornado”, disse Cinthia Ribeiro.

 

Ela lembrou que nos últimos 15 dias a cidade perdeu nove profissionais da Educação, entre os quais quatro professores da rede municipal.