Palmas, Tocantins -

Política


Crise no PMDB
7.694 visualizações

Gaguim reage à Zé Augusto: “ele me respeite. Quem tirou ele do ostracismo fui eu\"

O ex-governador Carlos Gaguim(PMDB) entrou em contato com o Portal T1 Notícias para rebater as declarações do deputado José Augusto ao portal mais cedo, sobre o comando do PMDB.
- Atualizada em
Descrição: Gaguim destacou que o deputado teve seu apoio Sherlyton Ribeiro

 

“Eu nunca quiser ser presidente do PMDB. Sempre achei que tinha que ser um deputado. Agora muito me admira o Zé Augusto, que até três meses atrás chamava o governador de José Wilson Corrupto Siqueira Campos, vir querer fazer média em cima de mim. Aí não dá”, desabafou o ex-governador.

 

Magoado com a declaração de Pugliese que disse que para comandar o PMDB precisa ter “mandato e CPF limpo”, e citou textualmente os dois ex-governadores, Marcelo Miranda e Carlos Gaguim, este último relembrou: “Precisa ter mandato é? Ele esqueceu que quem tirou ele da sarjeta fui eu?”

 

Segundo Gaguim, José Augusto estava sem mandato quando foi chamado para assumir o Itertins. “Ele que me respeite. Eu nunca ataquei nenhum deputado. Sei muito bem onde eu coloquei cada um, o que eu fiz por cada um. Assim como eu reconheço o que eles fizeram por mim também. Mas pode anotar aí: eu não tenho rabo preso com ninguém”, disparou.

 

Problemas no Itertins

 

Gaguim disse ter dado a José Augusto “carta branca”no Itertins como nunca ninguém havia dado a um secretario. “Acho engraçado, por que ele esquece o que ele fez lá. Até usar meu nome para titular terras, sem o meu conhecimento ele fez. Eu não quero entrar nisso, mas todo mundo sabe o que ele fez lá no Itertins. Quem acusou ele de corrupção não fui eu, foi o Luizinho, secretario do Siqueira, que agora ele apóia”, argumentou.

 

O ex-governador disse que com ele, José Augusto teve todo apoio “politico e financeiro” para se eleger. “E fui eu que coloquei a mulher dele vereadora. Agora vem falar do meu CPF, vem querer me chamar de ficha suja. Aí não. Quem tirou ele do ostracismo fui eu”.