Palmas, Tocantins -

Política


Operação Inconfidente
2.874 visualizações

Homem suspeito de executar oficial de Justiça Vanthieu é preso em Palmas: delegado diz que investigações continuam

Um homem que pode ser o responsável pela execução do oficial de Justiça, Vanthiel Ribeiro da Silva, assassinado em março do ano passado, foi preso em Palmas na noite desta sexta-feira, 3.
- Atualizada em

Uma pessoa que pode ser um dos responsáveis pela execução do oficial de Justiça Vanthiel Ribeiro da Silva, foi preso na noite desta sexta-feira, 3, em Palmas, em uma operação da Delegacia de Investigações Criminais – Deic. Segundo o delegado responsável pelo caso, Claudemir Luis Ferreira, um homem que possivelmente pode ser o responsável foi detido na Capital e está preso.

 

De acordo com o delegado, como o caso corre em segredo de Justiça, informações como a identidade do detido, ainda não pode ser divulgada, mas com a prisão as investigações vão ser aprofundadas. “As investigações continuam e com a prisão deste homem, que não significa ainda que seja o executor, temos condições de aprofundar ainda mais as investigações do inquérito”, ressaltou Ferreira.

 

Segundo informou o delegado, a polícia está investigando a real participação do preso e somente após a conclusão do inquérito vai poder informar se de fato o homem é o executor de Vanthieu.

 

Operação Inconfidente

 

O oficial de Justiça Vanthieu Ribeiro foi encontrado morto em março do ano passado e foi a partir do ocorrido que a Polícia Civil iniciou a Operação Inconfidente, que investiga a participação de oito pessoas, entre elas uma promotora de Justiça e uma juíza, em um suposto esquema de fraude para resgate de dinheiro em contas bancárias de pessoas falecidas.

 

Sete mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos municípios de Palmas, Miracema e Aparecida do Rio Negro na manhã de quarta-feira, 1 de junho de 2011. À época, a operação ganhou forte repercussão por incluir entre os investigados o ex-presidente da Naturatins, Stálion Beze Bucar, o Stálin Jr. A investigação foi dividida em dois processos, um que passou a apurar fraudes com o objetivo de sacar dinheiro depositado em conta de pessoas falecidas, e outro com o objetivo de esclarecer o assassinato de Vanthieu.

 

Em dezembro, um dos envolvidos na morte do oficial de justiça, o suspeito Délio Ferreira Filho chegou a ser preso, porém foi solto na última semana de janeiro porque o prazo de prisão temporária, 60 dias, expirou. (Atualizada às 10h20 de 7/2, com correções)