Palmas, Tocantins -
Câmara dos Vereadores de Palmas
1.903 visualizações

Líder da prefeita, Laudecy justifica que não poderia presidir Comissão da Mulher

A parlamentar contatou o Portal T1 para esclarecer a polêmica gerada em torno do resultado da eleição que escolheu um homem para presidir a comissão que trata de políticas públicas voltadas à mulher.
- Atualizada em
Da Web

Na última sexta-feira, 8, o T1 Notícias publicou uma matéria sobre a definição dos novos blocos parlamentares e suas lideranças, além da eleição dos novos membros das comissões permanentes da Câmara Municipal de Palmas, ocorrida no dia anterior, 7.

 

A publicação chamava a atenção para o fato de que todas as sete comissões serão presididas por parlamentares homens e que nem mesmo a Comissão de Assuntos dos Direitos das Mulheres, que trata de políticas públicas voltadas ao gênero, será comandada por uma representante feminina.

 

A referida comissão teve os vereadores Diogo Fernandes e Vandim do Povo eleitos como presidente e vice, respectivamente. Os demais membros são Gerson Alves, Helio Santana, Etinho Nordeste (suplente) e Laudecy Coimbra, única vereadora da Casa, após Vanda Monteiro (PSL), eleita em outubro passado, ter renunciado ao mandato para assumir a vaga de deputada estadual na Assembleia Legislativa.

 

Laudecy Coimbra contatou a equipe de reportagem do Portal T1 para esclarecer a polêmica gerada em torno do resultado da eleição. De acordo com o regimento interno da Câmara dos Vereadores, ao líder de governo, posto ocupado por ela, não é permitido assumir a presidência de nenhuma comissão. A parlamentar explicou que, em função do perfil conciliador que lhe é peculiar, foi convidada pela prefeita Cinthia Ribeiro para permanecer na liderança e dar continuidade à representação dos interesses do Poder Executivo dentro da Casa Legislativa.

 

“Seria eu, naturalmente, a presidente da Comissão de Assuntos dos Direitos das Mulheres, como fui no início do primeiro biênio, mas com o convite da prefeita para permanecer na liderança, eu resolvi aceitar, até porque não me impede de desenvolver o trabalho. Eu continuo me reunindo com as representantes da rede de atenção à mulher, participando das reuniões e fazendo o trabalho que eu posso fazer”, justificou a vereadora.

 

A líder de governo finalizou a conversa ressaltando o bom relacionamento que tem com os demais parlamentares e o avanço em termos de entendimento no debate entre os poderes Executivo e Legislativo. “Então o clima na Câmara hoje é muito mais harmonioso. Eles me escutam, me respeitam e eu tenho conseguido fazer com que, na medida do possível, essa harmonia prevaleça na Casa”, concluiu.