Palmas, Tocantins -
Crise na Saúde
1.854 visualizações

Negociação: sindicatos apresentam contraproposta na tarde desta quarta

Proposta apresentada ontem, pelo secretário da Saúde, ainda não agradou aos profissionais que se reúnem com Executivo em mesa de diálogo do SUS no Palácio Araguaia, às 15 horas
- Atualizada em
Divulgação

Sindicatos ligados à área da saúde vão apresentar uma contraproposta ao Governo do Estado referente ao acordo dos plantões dos profissionais da categoria. Uma proposta com ajustes do Executivo, apresentada nesta terça-feira, 12, ainda não agradou aos profissionais da área, que se reuniram na sede do Sintras na manhã desta quarta-feira, 13, para definir uma resposta conjunta dos respectivos sindicatos, sendo eles: Simed (médicos), Sintras (trabalhadores em saúde), Sindifato (estabelecimentos de serviços de saúde), Seto (enfermeiros) e Sicideto (cirurgiões dentistas).  

 

A contraproposta será apresentada em mesa de negociações do SUS na tarde de hoje pelas categorias. 

    

O presidente em exercício do Sindicatos os Médicos (Simed), Hélio Maués, considera que a atitude do Governo em apresentar uma proposta demonstra que houve avanço, mas queriam maior tempo para dialogar com a classe. “Tivemos menos de 24 horas, não pudemos ouvir a todos, mas mesmo assim vamos apresentar a contraprosposta hoje à tarde.

 

Para o presidente do Sintras, Manoel Pereira de Miranda, apesar dos avanços, a categoria não aceitará a proposta como foi apresentada. “Queremos manter a prerrogativa das 30 horas”, disse ele, ao explicar que em caso de horas excedidas na semana vão querer a compensação na semana seguinte. “Não queremos dever horas ao Estado, mas também não aceitaremos que as horas estabelecidas em lei sejam excedidas”, acrescentou.    

      

Entenda  

 

O tema polêmico está em pauta desde a demissão em massa dos médicos em janeiro deste ano, seguida da exigência de cumprimento do decreto 247 por aqueles que foram recontratados, bem como aos concursados.          

Notícias sobre:

saúde estado sindicatos crise