Palmas, Tocantins -
Operação Jogo Limpo
3.664 visualizações

Negreiros perde voo para Palmas e espera na PF do Galeão, avião do Estado ir buscá-lo

Último investigado a se entregar, o vereador Major Negreiros chegou ao Brasil nesta manhã e foi interceptado pela PF no aeroporto do Rio de Janeiro; vereador diz que aguarda avião do Estado
- Atualizada em
Vereador estava com mandado de prisão em aberto há 5 dias Ascom/Câmara de Palmas

O vereador Major Negreiros, alvo de mandado de prisão na segunda fase da operação Jogo Limpo, deflagrada na última semana, no Tocantins, retornou ao Brasil na manhã desta quarta-feira, 8, de viagem internacional que fazia com a família em Santiago, no Chile, para se apresentar à polícia. Como informado pela assessoria do parlamentar, e confirmado pelo vereador ao T1 nesta quarta, as passagens já estavam compradas para que ele se apresentasse hoje, em Palmas, à noite, mas com o mandado de prisão em aberto há cinco dias, o parlamentar foi interceptado pela Polícia Federal ao chegar ao Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro – Galeão.

 

Em entrevista ao T1, Negreiros explicou a situação. “Eu me apresentei, não fui preso. Tinha passagem comprada para 8 da manhã saindo do Galeão para Brasília, mas querem fazer o espetáculo cinematográfico. Já até perdi o voo. Estão arrumando um avião do Estado para me buscar, mas estou firme, de cabeça erguida”, disse.

 

O vereador era o único da lista de investigados na operação que não havia tido o mandado de prisão cumprido. No momento, apenas permanece preso o vereador e presidente da Câmara, Folha Filho. Os demais 23 envolvidos já foram liberados.

 

No dia 1º de agosto, Major Negreiros enviou memorando ao gabinete da presidência da Câmara de Palmas, informando que estaria em férias com sua família entre os dias 2 a 9 de agosto. Com a operação, o parlamentar comprou nova passagem e saiu ontem, 7, à noite de Santiago (Chile), para chegar em Palmas às 20h55 desta quarta.

 

Delegado comenta

 

O delegado responsável pela operação, Guilherme Rocha, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Maior Potencial contra a Administração Pública (DRACMA), esclareceu, em entrevista ao T1, que a logística do recambiamento do vereador e sua chegada “ainda está sendo elaborada e assim que ele chegar em Palmas serão formalizados os procedimentos de cumprimento efetivo da prisão e da decisão judicial”. Por ser militar, o delegado informou que o vereador será encaminhado a uma cela no Quartel do Comando Geral da PM.

 

Em suas redes sociais, o delegado também se manifestou, agradecendo a colaboração da PF e reafirmando o cumprimento do dever da DRACMA. “Vereador Major Negreiros detido no aeroporto do Galeão/RJ. A DRACMA/PCTO agradece a @policiafederal pelo apoio operacional. Ordem judicial é para ser cumprida! Não há negociatas, não há arranjos, não há preferências. Foram 5 dias de descumprimento de ordem judicial. Sempre cumpriremos nosso dever!”, finalizou.

 

Entenda

 

A Polícia Civil do Tocantins deflagrou na sexta-feira passada, 3, a segunda fase da “Operação Jogo Limpo”, que detalhou as etapas de um esquema milionário, entre servidores da prefeitura, empresários e políticos. A justiça do Tocantins expediu 26 mandados de prisão, dentre eles para o presidente da Câmara Municipal, Folha Filho, Major Negreiros e Rogério Freitas, e o ex-vereador Waldson da Agesp. De acordo com a Polícia Civil, R$ 7 milhões de contas públicas foram desviados da Fundesportes e da Secretaria de Governo e eram direcionados a empresas fantasmas e entidades, que recebiam comissões, e posteriormente repassados aos envolvidos, de modo a ser usado no custeio de campanhas políticas.