Palmas, Tocantins -

Política


Eleições 2020
705 visualizações

Pré-candidatos cogitam adiamento das eleições só se crise da pandemia piorar

Como o fim da janela partidária no dia 4 de abril, os partidos cuidam de afunilar o processo de formação de chapas de pré-candidatos a vereador; adiamento das eleições não deve ser discutida agora.
- Atualizada em
Da Web

A ação dos pré-candidatos à Prefeitura de Palmas, nesse período de pandemia, praticamente se limita ao envolvimento com os problemas nas áreas de saúde, da economia e do isolamento social. Como o fim da janela partidária no dia 4 de abril, os partidos cuidam de afunilar o processo de formação de chapas de pré-candidatos a vereador.

 

As articulações estão em banho-maria e só devem mesmo voltar com força, após a minimização da crise do novo coronavírus, prevista para o mês de junho, julho, agosto... Alguns pré-candidatos não cogitam a necessidade, por enquanto, de adiamento das eleições por conta disso.

 

O pré-candidato do Podemos, Alan Barbiero, por exemplo, entende que ainda é cedo para se avaliar a dimensão que o problema da pandemia vai impactar no processo eleitoral. “Se a partir de agosto o problema persistir tão agudo, lógico que não teria como ter eleições”, especula. “Agora, do ponto de vista da pré-campanha, ninguém está no clima de discutir eleições”, acrescenta.

 

Ele acha que o assunto em pauta é essa crise da pandemia e a crise econômica que a sociedade está atravessando e que tem sérios reflexos na saúde e na esfera social.

 

O foco do Podemos hoje, segundo Barbiero não é mais o processo eleitoral, é poder contribuir e colaborar com iniciativas populares, “ouvindo as pessoas e poder ajudar uma coordenação de ação social para minimizarmos riscos de contágio”.

 

O pré-candidato do Podemos disse que a pré-campanha eleitoral vai mudar completamente a agenda do partido. Afirmou que a ideia é propor políticas públicas e uma articulação governamental para enfrentamento dessa crise do coronavírus.

 

“Agora, isso não quer dizer que se faz necessário se inviabilizar uma eleição. Mas não quereremos que essa eleição se dê de forma tumultuada”, ponderou.

 

 

Pleito em novembro ou dezemfro

 

Barbiero entende que se o problema não for minimizado até o mês de junho, julho, “obviamente que as autoridades, o Congresso  Nacional, vão tomar as medidas adequadas e até ser que as eleições sejam adiadas para o mês de novembro ou dezembro, ou mesmo no início do ano que vem”, aventou Barbiero.

 

 

Janela partidária

 

Barbiero disse que já está com a chapa de pré-candidatos de vereadores montada, com 29 nomes, dos quais 9 são de mulheres. “Fizemos um trabalho muito intenso anteriormente, busquei, inclusive, antecipar um pouco mais o fechamento da chapa de vereadores e, por isso, estamos mais tranquilos nesse período”, observou ele.

 

 

Júnior Geo

 

O deputado Júnior Geo, pré-candidato pelo PROS, afirmou que as conversas com outros pré-candidatos foram interrompidas de avançar por causa do isolamento social. Na sua avaliação, até junho, alguns pré-candidatos vão refluir da disputa ao admitir que ele próprio pode tomar essa decisão.

 

Geo acha que alguns pretendentes têm um pouco de dificuldade de retirar a pré-candidatura, com a intenção de ganhar visibilidade para um cargo eletivo e nível estadual.  

 

O deputado defende a ideia de uma união de pré-candidatos que ele chama de “alternativos”, para tentar viabilizar uma candidatura competitiva, articulação que ele considera difícil. Porém, ele prevê que a disputa pela Prefeitura de Palmas seja reduzida cinco candidaturas.

 

 

Andrino e os "danos à democracia"

 

Para o pré-candidato Tiago Andrino, do PSB, adiar as eleições ou prorrogar o mandato dos atuais prefeitos seria um dos maiores “danos à democracia” ao comentar acerca da possibilidade de mudanças no processo eleitoral em função da pandemia.

 

Seria um risco, no seu entendimento, prorrogar mandato de prefeitos e vereadores. Ele acha que muitos prefeitos já realizam uma “péssima” gestão antes da crise e se tiverem mais dois anos pela frente, seria um “desastre” para administração pública, social e economicamente.

 

Andrino afirmou que o foco no momento é nas ações para conter o alastramento do novo coronavírus, mas que isso não impede de continuar conversando com lideranças comunitárias e empresarias e com segmentos sociais, com o objetivo de colher subsídios para o plano de governo que pretende apresentar, segundo ele, de acordo com o que permite o calendário eleitoral.

 

O pré-candidato disse que a chapa de pré-candidatos a vereador já está estruturada, com lideranças que “não se alinham com o Palácio Araguaia, nem com o Paço Municipal”, adiantou.