Palmas, Tocantins -
Rombo de mais de R$ 1 milhão
1.388 visualizações

Prefeito de Dianópolis aponta prejuízo que compromete pagamento da folha de dezembro

Segundo levantamento da Secretaria de Finanças do Município, o prejuízo é referente ao não pagamento da folha de dezembro no valor de R$ 1.233.023,63
- Atualizada em
Prefeitura aponta rombo de R$ 1,2 mi e anuncia contenção Divulgação

O atual prefeito de Dianópolis, Pe. Gleibson Moreira (PSB) acusa a ex-gestão de entregar o município com um rombo de mais de R$ 1 milhão nas contas. De acordo com um levantamento realizado pela Secretaria de Finanças, R$ 1.233.023,63, referentes ao não pagamento da folha do mês de dezembro de 2016 dos servidores efetivos e comissionados está com impedimento porque o ex-prefeito liberou cheques a fornecedores sem realizar o devido processo contábil. 

 

A secretaria de Finanças de Dianópolis, Josemária Rodrigues de Almeida, em entrevista ao Portal T1 Notícias na tarde desta quarta-feira, 11, disse que o saldo contábil oriundo do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) era de R$ 554.904,47 em 30 de dezembro de 2016. “O Fundef e a Saúde teriam o recurso, mas a gestão, no dia 30, quando entrou o dinheiro da repatriação, soltou cheques nesse valor de R$ R$ 528.254,38. Precisava da diferença de R$ 490.904,69, que era a contrapartida do município, para complementar a folha”, explicou a secretária.

 

Josemária afirmou que ao tomar conhecimento da ação, como o banco ainda não havia pagado os 11 cheques emitidos pelo ex-gestor, a prefeitura suspendeu os pagamentos. “Nós suspendemos para fazer uma análise jurídica, porque era um processo para fornecedores. Os servidores da finança nem tiveram conhecimento”, disse Josemária.

 

“Financeiramente o dinheiro existe, está lá. Só que contabilmente, só restou um saldo de R$ 25.791,99, porque se forem liberados os cheques, não teria dinheiro para pagar a folha”, relatou a secretária, ressaltando que a medida tomada pelo atual prefeito é de precaução. “Bloqueamos os cheques, mas isso não quer dizer que não teremos que pagar [os fornecedores]”.

 

Pagamento aos servidores

Segundo a prefeitura, até o momento os valores referentes aos cheques emitidos encontram-se bloqueados e somente serão liberados após a avaliação do departamento jurídico, que está fazendo a análise de cada processo para então liberar o pagamento da folha. “A intenção do prefeito é pagar. Mas precisamos fechar a contabilidade do mês de dezembro, para ver o saldo real e decidimos o que pode ser feito”, justificou a secretária de Finanças.

 

Medidas de contenção

A atual gestão afirmou que está adotando algumas medidas que visam garantir a estabilidade fiscal do município e assegurar para os próximos 90 dias, os serviços essenciais para a população. Dentre as ações, o prefeito anunciou corte de gratificações, horas extras, contratos, além de mudança no horário de atendimento da prefeitura e unificação da maioria das secretarias, reduzindo de 12 para oito. 

 

Sucateamento

A prefeitura acusa ainda a gestão de descaso e abandono. “A prefeitura foi entregue a mercê do descaso e do abandono. Toda frota da Secretaria Municipal de Obras sem condições de uso. Cenário de desrespeito com a população, uma vez que não é possível realizar atendimentos básicos e de emergência”, declara em comunicado encaminhado à imprensa.

 

Foram apontados ainda outros problemas, como toda a frota escolar sem funcionamento. “Ônibus sem pneus, documentos atrasados, parte elétrica danificada, motores jogados no chão. Toda frota estacionada no pátio está sem bateria. Maquinário agrícola depredado. Tratores faltando peças. Caminhões sem motor, sem pneus. Na maioria dos casos não compensando reforma ou recuperação, uma vez que o valor do serviço ultrapassaria o valor do bem. No pátio existem duas máquinas patrol, ambas paradas, por falta de manutenção mecânica, elétrica e falta de pneus”, descreve.

 

(Com informações da Ascom)

 

(Atualizada às 18h40, com alterações)

 

Notícias sobre:

dianopolis rombo finanças