Palmas, Tocantins -
Congresso Nacional
1.163 visualizações

Vice líder de Bolsonaro, Eduardo Gomes diz que será instrumento a favor do TO

A indicação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), desta quarta-feira, 13, onde também receberam a missão os senadores Elmano Férrer, Izalci Lucas e Chico Rodrigues   
- Atualizada em

O senador Eduardo Gomes (MDB) agora é um dos vice-líderes do Governo Federal no Senado. A mensagem do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), com a indicação de Gomes foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), desta quarta-feira, 13. Também foram indicados para a missão, no mesmo ato, os senadores Elmano Férrer (DEM/PI), Izalci Lucas (PSDB/DF) e Chico Rodrigues (DEM/RR).   

 

Em entrevista ao T1 Notícias, o senador ressaltou que a indicação representa uma grande responsabilidade junto ao processo político no Congresso, além de ser importante instrumento para o Estado.  “Ajudar ao processo político no Congresso Nacional nesse momento tem dois objetivos: melhorar a condição do País, acreditando que é possível achar convergência, ao discutir novos rumos, e aproveitar o acesso que essa atividade traz para ajudar o Estado que também passa por um momento de muito debate e muita expectativa”, disse Gomes.

 

O senador também destacou que, pela situação que o Estado e o Brasil atravessam, vai contribuir com Governo Federal com as suas opiniões e convicções em iniciativas que ajudem no desenvolvimento.

 

Eduardo Gomes também comentou que o Tocantins, agora que o busca um novo momento de desenvolvimento, precisa da participação efetiva do Governo Federal, através dos seus ministérios e das iniciativas que deem ao Tocantins maiores condições de prosperar. “Nosso mandado está a serviço do País e também como ferramenta de trabalho pelo desenvolvimento do Tocantins”, concluiu.

 

Mesa Diretora 

 

Em fevereiro, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) foi eleito o segundo secretário da Mesa Diretora do Senado Federal para o biênio 2019/2020. Seu nome foi indicado por unanimidade pela bancada de seu partido. Eduardo fez parte de uma chapa de consenso, que foi eleita com 72 de 77 votos (dois não e três abstenções).