Palmas, Tocantins -

Saúde


Covid-19
465 visualizações

Enquanto a vacina é esperada, surgem pesquisas alternativas de tratamento da doença

Em meio a incertezas, cientistas testam alternativas para curar ou frear o desenvolvimento da doença; OMS alerta contra terapias tradicionais não testadas
- Atualizada em
Descrição: Pesquisadores fazem teste com cannabis divulgação

Pesquisadores da Universidade de Lethbridge, no Canadá, descobriram que extratos específicos de ‘Cannabis sativa’ são promissores como um tratamento adicional para a Covid-19. Estudo necessita de revisão, segundo cientistas canadenses. Cannabis apresentou potencial de diminuir a entrada viral através da mucosa oral. Outros estudos também estão sendo realizados no mundo, como o uso da plasmoterapia e do antiviral Remdesivir. 

 

Informalmente conhecida como maconha, a planta tem extratos que podem elevar a proteção das células contra o novo coronavírus, de acordo com a pesquisa. O estudo é liderado pelo professor de biologia, Igor Kovalchuk, CEO da Pathway RX, uma empresa de pesquisa focada no desenvolvimento de terapias personalizadas de cannabis.

 

“Embora os extratos exijam validação adicional, nosso estudo é crucial para a análise futura dos efeitos da cannabis medicinal na Covid-19”, explica Kovalchuk.

 

O estudo ainda não foi revisado por pares ou publicado em uma revista científica. De acordo com o texto, os extratos podem ser usados ​​para desenvolver tratamentos preventivos fáceis de usar na forma de produtos para lavagem bucal e gargarejo na garganta, tanto para uso clínico quanto em casa.

 

Contudo, esses produtos devem ser testados quanto ao potencial de diminuir a entrada viral através da mucosa oral. “Dada a atual situação epidemiológica terrível e em rápida evolução, todas as oportunidades e avenidas terapêuticas possíveis devem ser consideradas”, explicou Kovalchuk, no artigo.

 

Alternativas testadas

 

Em meio a incertezas, cientistas testam alternativas para curar ou frear o desenvolvimento da doença. Nenhum tratamento contra a Covid-19 tem comprovação científica quanto à eficácia. Por outro lado, algumas alternativas com administração estritamente técnica estão sendo essenciais para salvar vidas.

 

O uso da plasmoterapia no tratamento da Covid-19, por exemplo, está sendo experimentado. Trata-se da transfusão do plasma do sangue de pessoas curadas para pacientes que estão em estado grave.

 

As pessoas que se curaram da infecção apresentam taxa elevada de anticorpos contra o coronavírus. O processo faz com que os anticorpos do doador ajudem o organismo do receptor a combater o vírus.

 

As pesquisas sobre a transfusão estão em fase inicial, mas cientistas acreditam na eficácia, porque a terapia já foi utilizada com êxito em surtos anteriores - como o da SARS (doença pulmonar grave) e ébola.

 

Em fase de ensaios clínicos, a administração da droga em pacientes graves é uma das esperanças de cura para a Covid-19. A expectativa é que em seis meses os investigadores cheguem a uma conclusão sobre a eficácia do Remdesivir no combate ao coronavírus.

 

Outra pesquisa, em estágio inicial, tem o foco um remédio contra piolhos. A Ivermectina é um antiparasitário que está sendo testado em laboratório. Experimentos preliminares sugerem que a droga seja capaz de impedir que o novo coronavírus se replique no organismo humano.

 

Pesquisadores identificaram que – após a aplicação da droga, num período entre 24 e 48 horas – a replicação viral foi interrompida. Os testes ainda não foram realizados em pacientes e ainda não há comprovação científica do tratamento.

 

Outro tratamento experimental na China utiliza o antiviral kaletra - que combina os medicamentos lopinavir e ritonavir contra o HIV. Um artigo publicação do New England Journal of Medicine, no entanto, não afirma que existe benefício comprovado contra a Covid-19. Alguns pacientes com o quadro grave da doença foram submetidos ao uso do medicamento, mas não houve suficientes respostas para se tirar uma conclusão segura sobre o uso do kaletra.

 

O que mais empolgou

 

A Hidroxicloroquina é administrado por médicos para o tratamento da malária e, aparentemente, mostra-se eficaz no tratamento da Covid-19. Em simulações in vitro, os resultados apontam para a redução da replicação viral no organismo do paciente.

 

Médicos, no entanto, alertam fortemente para não usar a Hidroxicloroquina sem acompanhamento técnico porque o composto pode matar os pacientes. É necessária uma combinação de terapias para que o resultado seja positivo.

 

Mesmo sem comprovação científica da eficácia contra a doença, alguns países estão a usar a droga nos infetados por Covid-19. Os Estados Unidos, por exemplo, criaram meios para acelerar as pesquisas e testes relacionados ao medicamento.

 

Em meio a tantas possibilidades experimentais de tratamento os pesquisadores e cientistas estão a avaliar os riscos e efeitos colaterais que as drogas podem produzir no organismo dos pacientes. Apontar um remédio ou a cura para a Covid-19 não é uma realidade.

 

Os esforços estão concentrados para desenvolver uma vacina que previna a doença e medicamentos que possam ser seguros e eficazes no combate ao vírus. Sem uma alternativa segura e cientificamente comprovada, a comunidade médica pelo mundo é quase unânime em defender o isolamento social para evitar a propagação do coronavírus.

 

Ministério da Saúde acompanha 9 estudos

 

O Ministério da Saúde acompanha o desenvolvimento de nove ensaios clínicos realizados no país para testar a eficácia e segurança do uso de alternativas no tratamento de pacientes com coronavírus (Covid-19).

 

Participam destes estudos mais de 100 centros de pesquisas, como universidades e hospitais, reunindo 5 mil pacientes com quadros leves, graves e moderados. Ainda neste mês, a expectativa é que resultados preliminares das pesquisas sejam divulgados, abrindo a possibilidade futura do uso de novos medicamentos e terapias no cuidado de pessoas infectadas pela doença.

 

“Está em curso vários ensaios clínicos para testar esses medicamentos. No curto prazo teremos resultados preliminares ainda no mês de abril para oferecer terapias seguras e eficazes para a população. Temos que pautar as nossas decisões baseadas em evidências científicas. Nós estamos em busca e, com celeridade, vamos dar resposta seguras e eficazes à população”, destacou o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Denizar Vianna.


 

OMS alerta contra terapias tradicionais não testadas

 

Plantas medicinais, como a artemísia, ainda precisam ter eficácia comprovada no tratamento da Covid-19. É o novo alerta da Organização Mundial da Saúde. A planta é usada no chá que está a ser distribuído na Guiné-Bissau.

    

A OMS voltou a alertar esta segunda-feira (04.05) que é preciso testar os medicamentos tradicionais, saber da sua eficácia e possíveis efeitos colaterais, antes de utilizá-los no tratamento da Covid-19.

 

O novo alerta surge num momento em que governantes de países africanos investem na compra de plantas medicinais para a cura do novo coronavírus.

 

Num comunicado, a OMS disse que apoia o uso de medicamentos cientificamente comprovados, acrescentando que a medicina complementar e alternativa traz muitos benefícios aos pacientes, mas que ainda não existem medicamentos que garantam a cura da Covid-19.

 

"Covid Organics"

 

A corrida para encontrar a cura da doença provocou um novo interesse em plantas como a artemísia. Em Madagáscar, o Presidente Andry Rajoelina está a promover um chá à base dessa planta, conhecido como "Covid Organics".


 

Embora a mistura de ervas não tenha sido cientificamente testada, o remédio tradicional já está a ser usado no combate à pandemia em território malgaxe e começou a ser exportado para outros Estados africanos, incluindo a Guiné-Bisau.

 

 "Mesmo que as terapias sejam derivadas da prática tradicional e natural, estabelecer sua a eficácia e segurança através de rigorosos ensaios clínicos é fundamental", disse a OMS por meio de um comunicado emitido pelo seu escritório na região regional da África Subsaariana.

 

Testes científicos

 

Entretanto, a OMS disse que está a trabalhar com instituições de pesquisa para selecionar produtos de medicina tradicional que possam ter a sua eficácia clínica investigada e garantir a segurança para o tratamento da Covid-19, a doença respiratória causada pelo novo coronavírus.

 

A organização disse ainda que é preciso cautela contra a desinformação, especialmente nas redes sociais, sobre a eficácia de certos remédios contra a Covid-19. "Muitas plantas e substâncias estão a ser propostas sem a requisitos mínimos e evidências de qualidade, segurança e eficácia", considerou a OMS.