Palmas, Tocantins -
Polícia Civil
786 visualizações

Em nova fase, Operação Cartase cumpre mandados em Araguaína

Desta vez os mandados são cumpridos na residência de servidores estaduais no município; esta é a primeira operação após o decreto do Governo do Estado que cria manual d procedimentos da PC
- Atualizada em
Divulgação

A Polícia Civil cumpre na manhã desta quinta-feira, 14, quatro mandados de busca e apreensão em Araguaína, no norte do Estado, sob a suspeita de funcionários  fantasmas. A ação ocorre na casa de servidores da Secretaria de Governo do Tocantins e fazem parte de uma nova fase da Operação Catarse, uma força-tarefa de várias delegacias do Estado que investiga danos ao erário público.

 

Por meio de nota, o Governo do Estado informou que não existem servidores-fantasmas na atual administração e que, em relação à operação da Polícia Civil "a mesma não aconteceu em órgão público do Estado e não está relacionada à atual administração", diz a nota. Destaca ainda que o fato de a Secretaria de Governo já ter sido extinta confirma que os investigados não compõem a atual administração. 

 

A operação chegou a ser criticada pelo secretário de Segurança Púlblica, Cristiano Sampaio, durante entrevista coletiva, onde explicava a publicação do polêmico decreto que criou o Manual de Procedimentos da Polícia Civil.

 

Operação

 

Outras fases da Operação levaram ao cumprimento de mandados no Palácio Araguaia, na Câmara de Vereadores de Porto Nacional e no gabinete de deputados estaduais.

 

Motivaram o início das investigações, em dezembro de 2018, a denúncia de que haveriam funcionários fantasmas do Governo do Estado em Araguaína. Desde então já foram cumpridos mandados no Palácio Araguaia, precisamente na Secretaria-geral de Governo, onde foram encontrados indícios de que 300 funcionários receberiam sem trabalhar.

 

Na Assembleia Legislativa, investigou-se a suspeita de que assessores devolviam a maior parte dos salários à pessoas ligadas aos deputados. Três funcionários foram presos preventivamente por atrapalhar as investigações.

 

Já na Câmara de Vereadores de Porto Nacional, na fase chamada Negócios de Família, a suspeita é que os denunciados tenham desviado R$ 700 mil em fraudes em licitações.

 

Confira a nota do Governo na íntegra 

 

O Governo do Estado do Tocantins informa que não existem servidores fantasmas na atual administração. Em relação à operação realizada pela Polícia Civil nesta quinta-feira, 14, em Araguaína, cabe ressaltar que a mesma não aconteceu em órgão público do Estado e não está relacionada à atual administração.  Ainda assim, a afirmação por parte da imprensa, de que os servidores investigados seriam lotados na Secretaria de Governo, confirmam que os mesmos não compõem a atual administração, em virtude de a Secretaria de Governo já ter sido extinta.