Palmas, Tocantins -
Caso Bruno Boaventura
2.000 visualizações

Petição online contra exoneração de delegado supera 7 mil assinaturas em um dia

Criado no sábado, 17, o abaixo-assinado online já havia sido assinado por mais de 7.200 pessoas neste domingo, 18
- Atualizada em
Abaixo-assinado online mobiliza milhares de moradores do Tocantins Divulgação

Uma petição online que pede o retorno imediato do delegado regional de Araguaína, Bruno Boaventura, ao cargo, foi criada pelo Partido NOVO no Tocantins no sábado, 17, e neste domingo, 18, já havia sido assinada por mais de 7.200 pessoas. O partido pontuou que também prepara uma ação judicial para anular o ato de exoneração “por ter violado o princípio da impessoalidade e pelo desvio de finalidade. A afirmação de corte de gastos camufla o verdadeiro motivo da exoneração que são as investigações de aliados do Governo”, informou na petição.

 

Também na tarde deste domingo, uma manifestação foi realizada por moradores nas ruas de Araguaína, contra as exonerações dos 12 delegados dos cargos de chefia, entre eles o delegado Bruno Boaventura. O protesto começou no final da tarde, na Praça do Galo, e seguiu em carreata até o complexo de delegacias.

 

A exoneração do delegado foi publicada na edição do Diário Oficial do Estado de sexta-feira, 16. O próprio delegado acredita que a exoneração seja retaliação por sua atuação em caso recente, polêmico, envolvendo a família do deputado estadual Olyntho Neto (PSDB). Na semana passada, Bruno Boaventura atuou na Operação Expurgo, tendo como principal suspeito, por crime ambiental, o pai do deputado, o ex-juiz eleitoral João Olinto. Um mandado de prisão foi expedido pela Polícia Civil contra o ex-juiz e provas que ligam o pai do parlamentar a um depósito de lixo hospitalar irregular foram apreendidas. Já em outubro deste ano, o delegado atuou na apreensão de R$ 500 mil, de origem duvidosa, encontrados em poder do irmão do deputado estadual, o advogado Luís Olinto Rotoli, em período eleitoral.

 

Sobre a decisão de exonerar o delegado do cargo em comissão, o governo do Estado garantiu que visa apenas a redução de gastos e refutou “qualquer tentativa de desvirtuamento do foco de suas medidas, que visam unicamente a redução de despesas e equilíbrio das contas públicas”.

 

Conforme o abaixo-assinado na internet, a meta é superar 10 mil assinaturas e talvez chegar a 20 mil apoiadores. A petição, que também sugere a cassação do deputado estadual Olyntho Neto, pode ser acessada neste link.